domingo, 13 de março de 2011

O sujeito epistêmico de Piaget

Para explicar como todos podem aprender e o desenvolvimento da inteligência, Jean Piaget reuniu saberes da Biologia, da Psicologia e da Filosofia no conceito do sujeito epistêmico

Mesmo sem ser pedagogo, o cientista suíço Jean Piaget (1896-1980) foi um dos pensadores mais influentes da Educação. Sua atualidade e repercussão na sala de aula devem-se, principalmente, ao incessante trabalho em compreender como se desenvolve a inteligência humana. Entre estudos e pesquisas, que renderam mais de 20 mil páginas, um conceito perpassa toda a sua obra: a ideia do sujeito epistêmico. Segundo Piaget, esse "sujeito" expressa aspectos presentes em todas as pessoas. Suas características conferem a todos nós a possibilidade de construir conhecimento, desde o aprendizado das primeiras letras na alfabetização até a estruturação das mais sofisticadas teorias científicas.

Que características tão especiais são essas? "Basicamente, a capacidade mental de construir relações", explica Zélia Ramozzi-Chiarottino, professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). Essa habilidade permite o desenvolvimento de uma gama de operações essenciais para a aquisição do saber: observar, classificar, organizar, explicar, provar, abstrair, reconstruir, fazer conexões, antecipar e concluir - ações que, de fato, todos temos o potencial de realizar. Um esquimó, por exemplo, é capaz de diferenciar a paisagem fria e se localizar no gelo assim como um índio brasileiro sabe caminhar pela Floresta Amazônica sem se perder. Em ambos os casos, o modo de classificar (no caso, mapear) e reconhecer o espaço geográfico é o mesmo. O que muda é a coisa classificada, que varia de acordo com o meio.

O conceito de sujeito epistêmico (leia um resumo no quadro abaixo) começou a tomar forma quando Piaget iniciou seus estudos sobre o processo de construção de conhecimentos de Matemática e Física na criança pequena. "Ele é considerado o inaugurador da epistemologia genética, teoria que investiga a gênese do conhecimento, tema que estava ausente das pesquisas até o fim do século 19", diz Lino de Macedo, também do Instituto de Psicologia da USP. Até então, as formulações sobre o desenvolvimento da inteligência eram uma exclusividade dos filósofos. As ideias de um deles, o alemão Immanuel Kant (1724-1804), tiveram grande impacto na obra de Piaget. Kant foi um dos primeiros a sugerir que o conhecimento vem da interação do sujeito com o meio - uma alternativa ao inatismo, que considerava o saber como algo congênito, e ao empirismo, que encarava o saber como um elemento externo que só podia ser adquirido pela experiência (leia mais no quadro).

Ao retrabalhar as proposições de Kant, Piaget concordou com a ideia da interação sujeito/meio - mas foi além, afirmando que o desenvolvimento das estruturas mentais se inicia no nascimento, quando o indivíduo começa o processo de troca com o universo ao seu redor. Ele também destacou a necessidade de uma postura ativa para aprender. Imagine, por exemplo, uma pessoa que more a vida inteira numa montanha. Ela pode nunca saber que existem terras baixas, planícies e vales de rio. Por outro lado, se decidir fazer uma viagem morro abaixo, vai conhecer a paisagem de seu entorno e, por meio das relações (comparação e classificação, por exemplo), vai entender que a montanha é um elemento natural diferente dos demais. "Para que o processo de estruturação cognitiva ocorra, é fundamental a ação do sujeito sobre o meio em que vive. Sem isso, não há conhecimento", completa Zélia (leia mais no quadro da página seguinte).


Gostou? Para ler Mais acesse: Revista NOVA ESCOLA

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

I Congresso Internacional de Empreendedorismo Evolutivo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Cantina dos Sonhos
Hora do almoço estava na agenda, quando os representantes das escolas participantes nas Escolas Europeias do Slow Food para o projeto Alimentação Saudável reuniram-se na Itália em Julho, pela primeira vez desde seu lançamento. Professores, diretores, alunos e líderes conviviam, unidos através de seus objetivos de melhorar as suas cantinas escolares, se reuniram para encontrar soluções criativas para alguns dos problemas comuns em torno do fornecimento de alimentos sazonais, nutritivos e agradáveis para as crianças da escola.

Doze escolas de dez países europeus - Bélgica, Bulgária, França, Irlanda, Itália, Letónia, Irlanda, Polónia, Espanha e Roménia -, até agora, aderiram ao projeto com financiamento europeu, cada uma trabalhando em vários aspectos da melhoria do seu serviço de cantina: revendo propostas, o encurtamento da cadeia alimentar para usar mais fresca, produtos alimentares sazonais locais, abordando a gestão de resíduos e promoção da alimentação saudável, bem como integrar a educação alimentar e sabor em suas salas de aula.

"O projeto é importante para mostrar que uma forma diferente é possível - uma maneira diferente de fornecer o alimento para nossas crianças, de executar as nossas cidades e vilas ea gestão da nossa paisagem valioso", disse Annette Caule, representante da École Jules Ferry School, Millau, França . "Também é importante ajudar as crianças a fazer escolhas mais informadas sobre o que comem. Através de expô-los à diversidade - de gosto, cultura, etc, podem fazer melhores escolhas ".



Se você gostou desta matéria continue lendo em

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O que é bullying?

Atos agressivos físicos ou verbais só são evitados com a união de diretores, professores, alunos e famílias

Bullying é uma situação que se caracteriza por atos agressivos verbais ou físicos de maneira repetitiva por parte de um ou mais alunos contra um ou mais colegas. O termo inglês refere-se ao verbo "ameaçar, intimidar". A versão digital desse tipo de comportamento é chamada de cyberbullying, quando as ameaças são propagadas pelo meio virtual.
Estão inclusos no bullying os apelidos pejorativos criados para humilhar os colegas. E todo ambiente escolar pode apresentar esse problema. "A escola que afirma não ter bullying ou não sabe o que é ou está negando sua existência", diz o médico pediatra Lauro Monteiro Filho, fundador da Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (Abrapia), que estuda o problema há nove anos.
Segundo o médico, o papel da escola começa em admitir que é um local passível de bullying, informar professores e alunos sobre o que é e deixar claro que o estabelecimento não admitirá a prática - prevenir é o melhor remédio. O papel dos professores também é fundamental. Eles podem identificar os atores do bullying - agressores e vítimas. "O agressor não é assim apenas na escola. Normalmente ele tem uma relação familiar onde tudo se resolve pela violência verbal ou física e ele reproduz isso no ambiente escolar", explica o especialista. Já a vítima costuma ser uma criança com baixa autoestima e retraída tanto na escola quanto no lar. "Por essas características, é difícil esse jovem conseguir reagir", afirma Lauro. Aí é que entra a questão da repetição no bullying, pois se o aluno reage, a tendência é que a provocação cesse.
Claro que não se pode banir as brincadeiras entre colegas no ambiente escolar. O que a escola precisa é distinguir o limiar entre uma piada aceitável e uma agressão. "Isso não é tão difícil como parece. Basta que o professor se coloque no lugar da vítima. O apelido é engraçado? Mas como eu me sentiria se fosse chamado assim?", orienta o médico. Ao perceber o bullying, o professor deve corrigir o aluno. E em casos de violência física, a escola deve tomar as medidas devidas, sempre envolvendo os pais.
O médico pediatra lembra que só a escola não consegue resolver o problema, mas é normalmente nesse ambiente que se demonstram os primeiros sinais de um agressor. "A tendência é que ele seja assim por toda a vida a menos que seja tratado", diz. Uma das peças fundamentais é que este jovem tenha exemplos a seguir de pessoas que não resolvam as situações com violência - e quem melhor que o professor para isso? No entanto, o mestre não pode tomar toda a responsabilidade para si. "Bullying só se resolve com o envolvimento de toda a escola - direção, docentes e alunos - e a família", afirma o pediatra.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Aprenda a fazer um AQUECEDOR de ÁGUA SOLAR !!! Super fácil e prático !


Ecoprático - Episódio 12 - Parte 2 from Ecoprático on Vimeo.
ASBC: Sigla de Aquecedor Solar de Baixo Custo,
projeto gratuito de um aquecedor solar de água, de 200 a 1.000 litros, destinado a substituir parcialmente a energia elétrica consumida por 36.000.000 de famílias brasileiras usuárias do chuveiro elétrico, em casas e apartamentos.
Este projeto está sendo desenvolvido, desde janeiro de 1999, pela ONG Sociedade do Sol, sigla SoSol, sediada no CIETEC - Centro Incubador de Empresas Tecnológicas, no Campus da USP/IPEN.
O projeto contou em sua fase inicial com o apoio da FAPESP, MCT, CNPq E FINEP.
Aos interessados no Aquecedor Solar de Baixo Custo (ASBC), sugerimos a leitura da Introdução à forma de disseminação da tecnologia do ASBC antes de dar início em suas pesquisas pelo site.
http://www.sociedadedosol.org.br/

quinta-feira, 28 de outubro de 2010



Educação Ambiental
Descrição:Educação Ambiental - Conhecimento e Ação para a Sustentabilidade: O curso tem como objetivo apresentar e discutir as diversas teorias para a construção do campo da Educação Ambiental e analisar propostas, projetos, experiências, bem como práticas educativas que tematizem a relação entre educação, sustentabilidade, meio ambiente e cidadania.

Público-alvo: educadores do ensino formal e não formal, profissionais da iniciativa privada e de organizações não governamentais, universitários interessados em atuar no campo da Educação Ambiental.

Carga horária: 21 horas - 7 encontros de 3 horas às 2ª e 4ª feiras das 19 às 22h

Inscrições até 28/10/2010 – mínimo 20 e máximo 25 inscritos
Datas do curso: 03, 08, 10, 17, 22, 24 e 29 de Novembro.


Caso não haja número mínimo de inscritos, as inscrições serão prorrogadas até 12/11/2010


Datas do curso: 17, 22, 24, 29 de novembro, 01,06,08 de Dezembro.

Mais informações: agenda@sosma.org.br ou telefone 11-3055-7888 - 3055-7894.












domingo, 24 de outubro de 2010

Semana da Educação 2010

Tive a oportunidade de participar do segundo dia, onde foi focado nas didáticas da leitura e escrita, e contou com duas convidadas internacionais. A primeira é a francesa Anne-Marie Chartier, renomada estudiosa dos processos de escrita e leitura. O que ela fez muito bem ao ler um texto de sua autoria traduzido para a Língua Portuguesa (ela leu em português), um texto no qual durante 1h30, falava sobre as diferenças no ensino no Brasil e na França. Muito cansativo.

Em seguida, a palavra é da argentina Ana Siro, coordenadora de projetos de leitura no governo da cidade de Buenos Aires. Seu assunto é a produção de textos: ela analisou como alunos de 9 a 11 anos atuam em uma importante etapa do percurso de autoria, a escrita de narrativas com mudança de ponto de vista (por exemplo, a história de Chapeuzinho Vermelho contada pelo Lobo). Uma palestra mais bem elaborada com apresentações dos textos em Power Point.
A convidada muito simpática e com um ponto de vista muito interessante, soube transmitir melhor e de uma maneira menos cansativa. Foi uma palestra nota 10! Adorei ! Parabéns Ana Siro.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Bienal 2010 - São Paulo

Tumulto, muita gente todos os dias da exposição.
Fiquei muito feliz, pois percebi que o povo brasileiro está se interessando mais pela leitura.







Mauricio de Souza autografando.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Exposição "Epidemik" (SP)

Exposição "Epidemik" (SP)

Quando: sex, 2 de julho, 09:00 – dom, 26 de setembro, 15:30

Onde: Estação Ciência, Rua Guaicurus, 1394, Lapa - São Paulo / SP (mapa)

Descrição: Com um videogame coletivo gigante, crianças e adolescentes aprendem como devem agir no enfrentamento de diferentes epidemias. O jogo, desenvolvido na França, pode ser jogado por até 40 pessoas simultaneamente. Valor: Grátis (para professores) e R$ 4 (inteira) Informações: (11)-3672-5364 / 3675-6889, secretaria@eciencia.usp.br ou www.eciencia.usp.br

Exposição "Escavando o Passado - Arqueologia na Cidade de São Paulo"

Exposição "Escavando o Passado - Arqueologia na Cidade de São Paulo"

Quando: qua, 25 de agosto, 09:00 – seg, 25 de outubro, 17:00

Onde: Rua Santo Anselmo, 102, Jardim São Bento - São paulo / SP (mapa)

Descrição: Índios, aldeias, caminhos e modos de vida são identificados por meio de imagens e objetos expostos no local que, futuramente, sediará o Centro de Arqueologia de São Paulo. Quanto: Grátis Informações: programacaosmc@prefeitura.sp.gov.br ou http://www.museudacidade.sp.gov.br/sitiomorrinhos.php

Curso "Transtornos que prejudicam a aprendizagem"

"Transtornos que prejudicam a aprendizagem"

Quando: sáb, 2 de outubro, 09:00 – 17:00

Onde: Rua Pires da Mota, 614, Aclimação - São paulo / SP (mapa)

Descrição: Neste curso serão abordados os seguintes transtornos: dislexia (dificuldade de leitura), disortografia (erros ortográficos), disgrafia (escrita “feia”) e discalculia (dificuldades em matemática), compreendendo suas causas para só então criar estratégias adequadas.

Semana da Educação 2010

Os maiores e mais respeitados especialistas da Educação reunidos para reflexão e incentivo pela melhoria da educação no Brasil. As discussões com especialistas, educadores e demais responsáveis pelo processo educacional girarão em torno de temas como leitura, escrita, o ensino de matemática e gestão escolar.

O evento é uma realização da Fundação Victor Civita em parceria com o apoio institucional do Sesc Vila Mariana e tem como patrocínio Editora Saraiva, Editora Ática e Editora Scipione

Data: de 19 a 21 de outubro de 2010
Horário: das 9 às 18 horas
Local: SESCSP Vila Mariana

Rua Pelotas, 141 - São Paulo, SP

Semana da Educação 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Centro de Altos Estudos da Consciênciologia

Conscienciologia: A Ciência da Consciência
A Conscienciologia é o termo que foi proposto publicamente em 1981 pelo médico e pesquisador brasileiro Waldo Vieira para definir a nova ciência dedicada ao estudo da consciência, que, dentre outros termos, é aquilo o que se denomina por ego, alma, espírito, essência, eu, individualidade, personalidade, pessoa, self, ser ou sujeito.

Para Vieira, a Conscienciologia parte do princípio de que a manifestação da consciência vai além do cérebro físico e que é independente do corpo humano. Portanto, a Conscienciologia propõe o estudo da consciência através de uma abordagem integral, considerando o holossoma, a multidimensionalidade, as bioenergias e a possibilidade da consciência se projetar para fora do corpo humano de maneira autoconsciente.

O holossoma é o conjunto dos quatro veículos de manifestação (corpos) usados pela consciência para se manifestar: o soma (corpo físico), o energossoma (corpo energético, duplo etérico, corpo bioplásmico), o psicossoma (corpo astral) e o mentalsoma (corpo mental).

O corpo físico seria extinto com a morte física, após a qual a consciência se manifestaria exclusivamente em dimensões extrafísicas empregando seus demais corpos até que, por forças naturais ou não, ela volte a constituir um novo corpo físico (reencarnação). A consciência teria, portanto, um aspecto multiexistencial.

A natureza multidimensional da consciência, fica evidenciada durante o fenômeno da experiência fora do corpo (projeção da consciência) quando ela pode se manifestar de forma lúcida em outras dimensões de espaço-tempo além da dimensão física que conhecemos, empregando os corpos não físicos que constituem o seu holossoma.

Além de estar sujeita as forças básicas da natureza, a consciência também interage por meio de bioenergias (energia vital, prana, orgonio, chi) com outras consciências, com outros seres vivos, com o ambiente. Por meio das bioenergias a consciência interfere e sofre interferências do meio.

A consciência seria intimamente regida por uma ética maior que permeia todo o universo, denominada cosmoética. A cosmoética não se limitaria aos conceitos de "certo" e "errado". Ela é orientada pela evolução da consciência, em qualquer dimensão de manifestação. Assim, não se pergunta se uma idéia ou ação é certa, mas se é a favor da evolução das consciências.

Segundo Vieira, o estudo da Conscienciologia com base nesses pressupostos constitui um paradigma consciencial, um novo modelo de idéias, distinto, portanto, do paradigma adotado pelas ciências tradicionais. Ainda segundo o autor, o escopo da Conscienciologia é o estudo da consciência do vírus (a forma mais simples de consciência) ao Serenão, a consciência mais evoluída existente em nosso planeta.


segunda-feira, 15 de março de 2010

Oficinas Pedagógicas FOCO (SP)

A Escola Projeto Vida está com inscrições abertas para as oficinas de especialização para professores e gestores. As oficinas são: ‘Ensino da música: obrigação ou prazer?’, ‘Pedagogia da cultura corporal: uma outra perspectiva na área da Educação Física’, ‘Educação inclusiva: construindo estratégias para ensinar e aprender’ e ‘Cuidar e educar na educação infantil’.

Quando: 20 de março de 2010
Onde: Rua Valdemar Martins, 148, Casa Verde – São Paulo / SP
Informações: (11) 2236-1425 / (11) 2236-1458 / carolina@projetovida.com.br

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Educação para todos - Portugal

A Campanha Global pela Educação (Global Campaign for Education - GCE) é uma coligação internacional de organizações da sociedade civil e ONGs, de sindicatos do mundo educativo, centros escolares e movimentos sociais diversificados, comprometidos com o Direito à Educação.

Vale a pena entrar no site para conferir!!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sotaques do Brasil

Como surgiram os diferentes sotaques do Brasil?

A diversidade de povos e idiomas contribuiu diretamente para o modo peculiar de falar o português em cada região do país

Por: Renata Costa

Imagem: Renata Borges

O Brasil é abundante em riquezas naturais de todos os tipos e, também, em sotaques. Embora todos nós brasileiros compartilhemos o mesmo idioma, há diferença na maneira como o português é falado em cada região ou mesmo em cada estado do país. E o modo como as pessoas falam caracterizam os diferentes sotaques.

As origens dos sotaques brasileiros estão na colonização do país feita por vários povos em diferentes momentos históricos. O português, como se sabe, imperou sobre os outros idiomas que chegaram por aqui, mas sofreu influências do holandês, do espanhol, do alemão, do italiano, entre outros.

Além disso, havia diferença no idioma português falado entre os colonizadores que chegavam aqui, vindos de várias regiões de Portugal e em distintas décadas. "Os portugueses vinham em ondas, em diferentes épocas. Por isso, o idioma trazido nunca foi uniforme", explica Ataliba Teixeira de Castilho, linguista e filólogo, consultor do Museu da Língua Portuguesa e professor da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).

Os primeiros contatos linguísticos do português no Brasil foram com as línguas indígenas e africanas. “A partir do século XIX, os imigrantes europeus e asiáticos temperaram essa base portuguesa, surgindo o atual conjunto de sotaques”, diz o professor Ataliba.

É só reparar o sotaque e a região para lembrar os vários imigrantes que contribuíram para a história do país. No Sul, os alemães, italianos e outros povos vindos do leste europeu. No Rio Grande do Sul, acrescenta-se a estes a influência dos países de fronteira, de língua espanhola. São Paulo e sua grande comunidade italiana, misturada a pessoas vindas de várias partes do Brasil e do mundo; Pernambuco e os holandeses dos tempos de Mauricio de Nassau. Os exemplos são muitos e provam que os sotaques são parte da história da formação do país.

Por isso mesmo, não se pode dizer que haja um sotaque mais “correto” que outro. “Quem acha que fala um português sem sotaque, em geral não se dá conta de que também tem o seu próprio, já que ele caracteriza a variação linguística regional, comum a qualquer língua”, afirma o professor.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Cursos Especialização para Pedagogos

Este grupo procura contribuir com o desenvolvimento de competências fundamentais para que professores-alfabetizadores atuem em classes de educação infantil e início do ensino fundamental (séries iniciais: turmas de 6, 7 e 8 anos), favorecendo uma compreensão mais ampla do trabalho com a Língua.
Neste Grupo a ação do professor de Educação Infantil é tratada de forma abrangente, envolvendo aspectos da concepção, da organização e da realização da prática educativa.
Este Grupo aborda questões relacionadas à: adaptação de crianças pequenas; organização da rotina; parceria com os pais; gestão do tempo, do espaço e da diversidade das intervenções educativas.
No curso serão abordados temas como o trabalho com os problemas do campo aditivo e multiplicativo; a construção dos significados das operações fundamentais e as diferentes modalidades de cálculo, o trabalho com as regularidades e propriedades, entre outros assuntos.
Esse grupo oferece uma oportunidade de reflexão da prática educativa em artes através de diferentes ações que abordam os conceitos e os conteúdos específicos da área.
Esse grupo de reflexão se propõe a tratar esta questão procurando ampliar observáveis e buscar estratégias para lidar com as principais questões envolvidas, como: a adaptação curricular, as relações que se estabelecem com todos os alunos no espaço da sala de aula e da escola, as tarefas do professor, entre outros.
Essa proposta, que tem como objetivo propor temas e aprofundar conhecimentos referentes à gestão da formação da equipe pedagógica e do cotidiano escolar, é dirigida a profissionais que assumiram a orientação pedagógica há menos de cinco anos.

ONDE? Rua Alfredo Mendes da Silva, nº 55. Morumbi - São Paulo/SP
Informações: http://www.vila.org.br/

Curso de Línguas Estrangeiras GRATUITOS

Pela internet
Weblinguas ( www.weblinguas.com.br) Envia gratuitamente por e-mail lições de português, inglês, francês e espanhol.
Livemocha (http://www.livemocha.com/) Oferece cursos online de alemão, espanhol, francês, inglês, islandês, italiano, japonês, mandarim, português, russo e mais 90 idiomas gratuitamente.
Francoclic (http://francoclic.mec.gov.br/) Destinado aos que querem não só aprender francês, mas também conhecer um pouco mais da cultura do país.
USA Learns (www.USALearns.org) Gratuito, o site trabalha leitura, escrita e até mesmo a pronuncia do inglês.
Presenciais
SÃO PAULO - CELs Pouco conhecidos pelos paulistas, os Centros de Estudos de Línguas são mantidos pela Secretaria da Educação do Estado e têm cursos gratuitos de idiomas. São mais de 7,3 mil vagas para aulas de alemão, japonês, francês, espanhol e italiano. Com duração de três anos, as aulas duram 50 minutos e ocorrem 2 ou 4 vezes por semana. Apenas estudantes de redes estaduais ou municipais de escolas regulares, técnicas ou de supletivos a partir da 6ª série podem se inscrever. Mais informações: (11) 3218-2000 ou pelo site www.educacao.sp.gov.br

Professor Dedicado

No Japão, país com ensino exemplar, os professores nunca largam os estudos: 100% participam de programas de formação continuada do primeiro ano de profissão à aposentadoria. No Brasil, só 9% fazem isso.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Com "pé atrás", José Serra assina decreto que cria universidade de ensino a distância

O governador de São Paulo, José Serra, assinou na tarde desta quinta-feira (9) o decreto que cria a Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo), sistema de ensino superior a distância. "Eu mesmo tenho o pé atrás [com a educação a distância]. Vendo TV, fico me perguntando se dá mesmo para aprender", disse logo após dar sinal verde para o projeto.A Univesp é formada pela parceria das três universidades estaduais paulistas: USP, Unesp e Unicamp. O programa vai ter ênfase na pedagogia e prevê a abertura de 6.600 vagas já em 2009. "As universidades vão caprichar porque são as três melhores do país e não darão aula sem qualidade", garantiu Serra.Os cursos serão gratuitos, mas o projeto custará R$ 25 milhões por ano aos cofres públicos. "Não estamos tirando da verba das universidades. Deveríamos, porque é para o ensino superior publico, mas não estamos. E isso é para mostrar a importância que esse programa tem para nós", esclareceu o governador, que classificou o dia de hoje como "histórico".Como funcionaSerão destinadas 5.000 vagas para a graduação de pedagogia na Unesp, 700 de licenciatura em biologia e outras 900 de licenciatura em ciências, ambas na USP. A Unicamp ainda não tem suas vagas definidas.O primeiro módulo do programa, conforme o plano, terá cursos para ampliar a oferta de vagas na formação de professores em áreas básicas, como línguas, física, química e biologia. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, somente na rede estadual de São Paulo, há 25 mil professores sem diploma superior (10% do total). Simultaneamente, serão desenvolvidos cursos de especialização voltados a professores da rede estadual de ensino, da 5ª série ao ensino médio. A expectativa é de que 110 mil docentes ingressem no ano que vem em 16 cursos de pós-graduação (13 de disciplinas e três de gestão).Alguns cursos de especialização já são estudados para implantação: filosofia, sociologia, educação em direitos humanos, ética e saúde na escola, ciências, espanhol, gestão escolar, economia ambiental, vigilância sanitária, terapia intensiva integrada, ações em saúde, reabilitação de pacientes amputados.Ingresso na universidadeO ingresso na Univesp será feito como um vestibular normal. Será publicado edital com informações sobre o processo seletivo. Ainda não há datas definidas, mas a expectativa é de que esses cursos já comecem a funcionar em março de 2009.Segundo o secretário de Ensino Superior, Carlos Vogt, o sistema de cotas obedecerá as atuais políticas das universidades, "que já contemplam, de alguma forma, esse aspecto fundamental da participação dos jovens na busca do ingresso no ensino superior. O que vamos fazer é continuar a respeitar essas políticas".A idéia é criar uma rede virtual de ensino superior chancelada pelo prestígio acadêmico das estaduais. Por meio da rede, o aluno poderá assistir aulas, consultar uma biblioteca virtual e acompanhar pela TV o material de apoio pedagógico. O restante do programa pouco difere do ensino tradicional, com provas e aulas presenciais nos pólos.Vogt explica que haverá um canal aberto 24 horas que repetirá a programação a cada oito horas. A grade curricular ficará a cargo das universidades. "O projeto nasce com universidades públicas, mas estará aberto, no futuro, a parcerias com outras instituições, inclusive as particulares", disse o secretário.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Lawrence Stenhouse-O defensor da pesquisa no dia-a-dia

Para o educador inglês, todo professor deveria atuar como um investigador para ser capaz de criar o próprio currículo.
É impossível falar em professor-pesquisador sem citar o nome de Lawrence Stenhouse. A necessidade de utilizar a investigação como recurso didático já era discutida desde a década de 1930, mas foi esse inglês quem jogou luz sobre o tema, 30 anos mais tarde. "A técnica e os conhecimentos profissionais podem ser objeto de dúvida, isto é, de saber, e, conseqüentemente, de pesquisa", justificava. Assim, acreditava ele, todo educador tinha de assumir seu lado experimentador no cotidiano e transformar a sala de aula em laboratório. E, tal qual um artista, que trabalha com pincéis e tintas e escolhe texturas e cores, o profissional da educação deveria lançar mão de estratégias variadas até obter as melhores soluções para garantir a aprendizagem da turma. Em condições ideais, todos seriam capazes de criar o próprio currículo, adequado à realidade e às necessidades da garotada.
"Suas idéias, que têm mais de 40 anos, estão na pauta da educação atual", diz a professora Menga Lüdke, do Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. De fato, os conceitos mais recentes sobre as competências para ensinar incluem a postura reflexiva, a capacidade de analisar a própria prática e a partir dessa análise efetuar ajustes e melhorias no trabalho de sala de aula.
Mas nem sempre foi assim. Muitas das propostas de Stenhouse foram desprezadas porque ele procurava resolver problemas — como o da autoridade do professor em sala de aula — com propostas educativas de efeitos de médio e longo prazo. E muita gente, dentro da própria escola, prefere soluções instantâneas.
A eficácia das teorias pôde ser comprovada enquanto ele ainda estudava o tema. No final dos anos 1960, trabalhando no Schools Council for Curriculum and Examinations (Conselho Escolar de Currículo e Avaliação), de Londres, ele criou e pôs em prática um currículo específico para atender jovens de classes populares — com excelentes resultados (leia mais). Entre outras coisas, porque todos eram tratados com respeito, algo fundamental nas relações escolares para Stenhouse. "Os estudantes rendem mais quando são recebidos e acolhidos com consideração", dizia sempre. E isso, todo professor sabe, não é difícil. Basta estar aberto e ouvir a turma.
Para saber mais acesse: Revista Nova Escola

FRIEDRICH FROEBEL- O educador das crianças pequenas

O criador dos jardins-de-infância defendia uma educação sem obrigações para as crianças, que, para ele, aprendiam conforme seus interesses e por meio da prática.
O alemão Friedrich Froebel (1782-1852) foi um dos primeiros educadores a considerar o início da infância como uma fase de importância decisiva na formação das pessoas - idéia hoje consagrada pela psicologia, ciência da qual foi precursor. Froebel viveu em uma época de mudança de concepções sobre as crianças (leia na página 60) e esteve à frente desse processo na área pedagógica, como fundador dos jardins-de-infância, para menores de 8 anos. O nome reflete um princípio que Froebel compartilhava com outros pensadores de seu tempo: o de que a criança é como uma planta em sua fase de formação, que exige cuidados periódicos para que cresça de modo saudável. "Ele procurava na infância o elo que igualaria todos os homens, sua essência boa e divina ainda não corrompida pelo convívio social", diz Alessandra Arce, professora da Universidade Federal de São Carlos (SP).
As técnicas utilizadas até hoje em Educação Infantil devem muito a Froebel. Para ele, as brincadeiras são o primeiro recurso no caminho rumo à aprendizagem. Não são apenas diversão, mas um modo de criar representações do mundo concreto com a finalidade de entendê-lo. Com base na observação das atividades dos pequenos com jogos e brinquedos, Froebel foi um dos primeiros pedagogos a falar em auto-educação, um conceito que só se difundiria no início do século 20, graças ao movimento da Escola Nova, de Maria Montessori (1870-1952) e Célestin Freinet (1896-1966), entre outros.
Treino de habilidades
Por meio de brinquedos que desenvolveu (leia na página 59) depois de analisar crianças de diferentes idades, Froebel previu uma educação que ao mesmo tempo permite o treino de habilidades que elas já possuem e o surgimento de novas. Dessa forma seria possível aos alunos exteriorizar seu interior e interiorizar as novidades vindas de fora - um dos princípios do aprendizado, segundo o pensador.
Ao mesmo tempo que pensou sobre a prática escolar, ele se dedicou a criar um sistema filosófico para lhe dar sustentação. Para Froebel, a natureza era a manifestação de Deus no mundo terreno e expressava a unidade de todas as coisas. Da unidade absoluta em Deus decorria uma lei da unidade dos contrários. Isso tudo levava ao princípio de que a educação deveria trabalhar os conceitos de unidade e harmonia, pelos quais as crianças alcançariam a própria identidade e sua ligação com o eterno. A importância do autoconhecimento não se limitava à esfera individual, mas seria ainda um meio de tornar melhor a vida em sociedade.
Além do misticismo e da unidade, a natureza continha, de acordo com Froebel, um sistema de símbolos conferido por Deus. Era necessário desvendar tais símbolos para conhecer o que é o espírito divino e como ele se manifesta no mundo. A criança, segundo o educador, trazia também em si uma semente divina de tudo o que há de melhor no ser humano. Cabia à educação, a partir dos primeiros anos de vida, desenvolver esse germe e não deixar que se perdesse.
Brinquedos criados para aprender
Froebel considerava a Educação Infantil indispensável para a formação da criança - e essa idéia foi aceita por grande parte dos teóricos da educação que vieram depois dele. O objetivo das atividades nos jardins- de-infância era possibilitar brincadeiras criativas. As atividades e o material escolar eram determinados de antemão, para oferecer o máximo de oportunidades de tirar proveito educativo da atividade lúdica. Froebel desenhou círculos, esferas, cubos e outros objetos que tinham por objetivo estimular o aprendizado. Eles eram feitos de material macio e manipulável, geralmente com partes desmontáveis. As brincadeiras eram acompanhadas de músicas, versos e dança. Os objetos criados por Froebel eram chamados de "dons" ou "presentes" e havia regras para usá-los, que precisariam ser dominadas para garantir o aproveitamento pedagógico. As brincadeiras previstas por Froebel eram, quase sempre, ao ar livre para que a turma interagisse com o ambiente. "Todos os jogos que envolviam os 'dons' começavam com as pessoas formando círculos, movendo-se e cantando, pois assim conseguiam atingir a perfeita unidade", diz Alessandra Arce. Para Froebel, era importante acostumar as crianças aos trabalhos manuais. A atividade dos sentidos e do corpo despertariam o germe do trabalho, que, segundo o educador alemão, seria uma imitação da criação do universo por Deus.
Educação espontânea
O caminho para isso seria deixar a criança livre para expressar seu interior e perseguir seus interesses. Froebel adotava, assim, a idéia contemporânea do "aprender a aprender". Para ele, a educação se desenvolve espontaneamente. Quanto mais ativa é a mente da criança, mais ela é receptiva a novos conhecimentos. O ponto de partida do ensino seriam os sentidos e o contato que eles criam com o mundo. Portanto, a educação teria como fundamento a percepção, da maneira como ela ocorre naturalmente nos pequenos. Isso não quer dizer que ele descartasse totalmente o ensino diretivo, visto como um recurso legítimo caso o aluno não apresentasse o desenvolvimento esperado. De modo geral, no entanto, sua pedagogia pode ser considerada como defensora da liberdade.
O educador acreditava que as crianças trazem consigo uma metodologia natural que as leva a aprender de acordo com seus interesses e por meio de atividade prática. Ele combatia o excesso de abstração da educação de seu tempo argumentando que ele afastava os alunos do aprendizado. Na primeira infância, dizia, o importante é trabalhar a percepção e a aquisição da linguagem. No período propriamente escolar, seria a vez de religião, ciências naturais, matemática, linguagem e artes.
Froebel defendia a educação sem imposições às crianças porque, segundo sua teoria, elas passam por diferentes estágios de capacidade de aprendizado, com características específicas, antecipando as idéias do suíço Jean Piaget (1896-1980). Froebel detectou três estágios: primeira infância, infância e idade escolar. "Em seus escritos, ele demonstra como a brincadeira e a fala, observadas pelo adulto, permitem apreender o nível de desenvolvimento e a forma de relacionamento infantil com o mundo exterior", diz Alessandra Arce.
Froebel não fez a separação entre religião e ensino, consagrada atualmente, mas via a educação como uma atividade em que escola e família caminham juntas, outra característica que o aproxima da prática contemporânea.
Um novo conceito de infância surge na Europa
Duas tendências históricas são essenciais para a compreensão da obra de Froebel. Uma é a valorização da infância, que passou, entre os séculos 18 e 19, a ser encarada como uma fase da vida com particularidades bem marcantes e com duração longa (é dessa época também o surgimento do conceito de adolescência). Pouco antes, era comum meninos europeus de 7 anos entrarem para as Forças Armadas. Cerca de um século antes do nascimento de Froebel, tamanha era a mortalidade infantil que a infância não passava de um período de "teste" para candidatos a adultos.
Na Idade Média, segundo o historiador francês Philippe Ariès, a idéia de infância simplesmente não existia: as crianças eram adultos à espera de adquirir a estatura "normal". Outra tendência histórica marcante do período em que Froebel viveu foi o individualismo burguês, simbolizado pela figura de Napoleão, que encarnava o ideal do homem que se fez sozinho e se tornou imperador da França.
Para saber mais acesse Revista Nova Escola

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

CARTILHA DO VOLUNTARIADO UNINOVE

quarta-feira, 5 de março de 2008

ÉDOUARD CLAPARÈDE

Um pioneiro da psicologia das crianças
O cientista suíço defendia a necessidade de estudar o funcionamento da mente infantil e de estimular na criança um interesse ativo pelo conhecimento

Na história da educação, o nome do psicólogo suíço Édouard Claparède (1873-1940) se encontra num ponto de confluência de várias correntes de pensamento. Em sua formação, ele absorveu influências tanto da filosofia como da ciência da época. E sua obra favoreceu o desenvolvimento de duas das mais importantes linhas educacionais do século 20, a Escola Nova, cuja representante mais conhecida foi Maria Montessori (1870-1952), e o cognitivismo de Jean Piaget (1896-1980), que foi seu discípulo.
Muitos pensadores antes de Claparède pregaram a importância de, na prática pedagógica, se levar em conta os processos mentais e a evolução das crianças, mas o faziam de um ponto de vista eminentemente intuitivo. Claparède, ao contrário, tinha formação em medicina e pretendeu construir uma teoria científica da infância.
Na introdução de seu livro Psicologia da Criança e Pedagogia Experimental, o psicólogo diz que o ensino precisaria se basear no conhecimento das crianças tanto quanto a horticultura se baseia no conhecimento das plantas. Ele achava que a educação deveria passar por uma ‘revolução copernicana’, deixando de ter o professor como centro para gravitar em torno do aluno, diz Regina Helena de Freitas Campos, professora de psicologia da educação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para saber mais - Revista Nova Escola

terça-feira, 4 de março de 2008

Psicologia Infantil

1.INTRODUÇÃO
Psicologia Infantil é o estudo do comportamento infantil que inclui características físicas, cognitivas, motoras, lingüísticas, perceptivas, sociais e emocionais, desde o nascimento até a adolescência. As duas questões básicas para os psicólogos infantis são: determinar como as variáveis ambientais (o comportamento dos pais, por exemplo) e as características biológicas (as predisposições genéticas) interagem no comportamento e estudar como essas mudanças se relacionam e influem mutuamente.
2.ESTUDO CIENTÍFICO
No século XIX, a teoria da evolução de Darwin impulsionou o exame científico do desenvolvimento infantil. O instinto de sobrevivência das muitas espécies animais estimulou o interesse pela observação das crianças, para identificar as diferentes formas de adaptação ao ambiente e o peso da herança em seu comportamento. Em 1916, Lewis Terman introduziu o teste de inteligência (teste de Stanford–Binet), que conduziu a uma série de estudos sobre o desenvolvimento intelectual da criança. Na década de 1920, Arnold Gesell analisou o comportamento infantil através de filmagens, nas quais as crianças foram observadas em idades diferentes, estabelecendo pela primeira vez um desenvolvimento intelectual por etapas, semelhante ao seu desenvolvimento físico.
3.ESTUDOS AMBIENTAIS
Sigmund Freud insistiu no efeito das variáveis ambientais e na importância do comportamento dos pais durante a infância dos filhos. John B. Watson, principal representante do behaviorismo, analisou as variáveis ambientais como estímulos progressivamente associados a respostas. No início da década de 1960, Jean Piaget utilizou métodos de observação e experimentação que integram variáveis psicológicas e ambientais.
4.TEORIAS EVOLUTIVAS OU DE DESENVOLVIMENTO
As teorias evolutivas relacionam características do comportamento com etapas específicas do crescimento. A teoria freudiana da personalidade e a teoria da percepção e cognição de Piaget são as principais. Ambas explicam o desenvolvimento humano em termos interativos. Segundo Freud, uma personalidade sadia baseia-se na satisfação de necessidades instintivas. Por sua vez, Piaget afirmou que, desde o nascimento, os seres humanos aprendem ativamente, inclusive sem incentivos externos.
5.DESENVOLVIMENTO INFANTIL
Os diversos aspectos do desenvolvimento da criança abrangem o crescimento físico, as mudanças psicológicas e emocionais e a adaptação social. Existe uma concordância geral de que os modelos de seu desenvolvimento estão determinados por condições genéticas e circunstâncias ambientais: existe um componente genético nas características da personalidade; o crescimento físico depende da saúde; até os dois anos de idade, ocorrem as mudanças mais drásticas na atividade motora. A velocidade para adquirir estas capacidades é determinada de forma congênita. Destaca-se a capacidade para compreender e utilizar a linguagem: Noam Chomsky estabeleceu que o cérebro humano está especialmente estruturado para isso, porque esta capacidade não requer uma aprendizagem formal e se desenvolve desde que a criança tem seus primeiros contatos com o mundo exterior. Por outro lado, a formação da personalidade é considerada um processo pelo qual as crianças aprendem a evitar os conflitos e a administrá-los quando aparecem. Os pais excessivamente austeros ou permissivos podem limitar as chances de uma criança tentar evitar ou controlar seus problemas. Está claro que as atitudes dos pais e seus valores influem no desenvolvimento dos filhos. As relações sociais infantis supõem interação e coordenação dos interesses mútuos, onde são adquiridos modelos de comportamento social através dos jogos. Além disso, a criança aprende a necessidade de um comportamento cooperativo e de uma organização para alcançar objetivos em grupo. As crianças aprendem o que é aceitável e inaceitável no seu comportamento e, mediante a socialização, conhecem o conceito de moralidade. O pensamento moral apresenta um nível inferior (a regra se cumpre sozinha para evitar o castigo) e um superior (a pessoa compreende racionalmente os princípios morais universais necessários para a sobrevivência social).
6.TENDÊNCIAS ATUAIS
Atualmente, os psicólogos concordam que determinados fatores de risco biológico, como crianças que nascem abaixo do peso normal, a falta de oxigênio antes ou durante o parto e outros problemas físicos ou fisiológicos, são importantes para o seu desenvolvimento e comportamento posteriores. Também se investiga o papel das variáveis cognitivas na aprendizagem dos papéis sexuais e os estereótipos sobre as diferenças de sexo. Os modelos sexuais foram definidos na nossa cultura, mas a pressão favorável para a mudança destes modelos está rompendo pouco a pouco estes estereótipos, permitindo que um indivíduo mude ou adapte seu comportamento às exigências das situações específicas com as quais vai conviver.

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Prosopopéia

Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal.
Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com seus amados patos, disse-lhe: - Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à qüinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, diz:
- Dotô, eu levo ou deixo os pato?

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Psicologia na Educação

Psicologia do Desenvolvimento Contribuições Teóricas
Resuminho sobre os principais psicólogos e educadores.
Sigmund Freud (1856-1939)
· Propõe, à data, um novo e radical modelo da mente humana, que alterou a forma como pensamos sobre nós próprios, a nossa linguagem e a nossa cultura. A sua descrição da mente enfatiza o papel fundamental do inconsciente na psique humana e apresenta o comportamento humano como resultado de um jogo e de uma interação de energias.
· Freud contribuiu para a eliminação da tradicional oposição básica entre sanidade e loucura ao colocar a normalidade num continum e procurou compreender funcionamento do psiquismo normal através da génesis e da evolução das doenças psíquicas.
· Estudo do desenvolvimento psíquico da pessoa a partir do estádio indiferenciado do recém-nascido até à formação da personalidade do adulto.
· Muitos dos problemas psicopatológicos da idade adulta de que trata a Psicanálise têm as suas raízes, as suas causas, nas primeiras fases ou estádios do desenvolvimento.
· Na perspectiva freudiana, a “construção” do sujeito, da sua personalidade, não se processa em termos objetivos (de conhecimento), mas em termos objectais.
· O objecto, em Freud, é um objeto libidinal, de prazer ou desprazer, “bom ou mau”, gratificante ou não gratificante, positivo ou negativo.
· A formação dos diferentes estádios é determinada, precisamente, por essa relação objectal. (Estádios: Oral, Anal, Fálico, Latência, Genital)
A sua teoria sobre o desenvolvimento da personalidade atribui uma nova importância às necessidades da criança em diversas fases do desenvolvimento e sobre as consequências da negligência dessas necessidades para a formação da personalidade
Erik Erikson (1904-1994)
· A teoria que desenvolveu nos anos 50 partiu do aprofundamento da teoria psicossexual de Freud e respectivos estádios, mas rejeita que se explique a personalidade apenas com base na sexualidade.
· Acredita na importância da infância para o desenvolvimento da personalidade mas, ao contrário de Freud, acredita que a personalidade se continua a desenvolver para além dos 5 anos de idade.
· No seu trabalho mais conhecido, Erikson propõe 8 estádios do desenvolvimento psicossocial através dos quais um ser humano em desenvolvimento saudável deveria passar da infância para a idade adulta. Em cada estádio cada sujeito confronta-se, e de preferência supera, novos desafios ou conflitos. Cada estádio/ fase do desenvolvimento da criança é importante e deve ser bem resolvida para que a próxima fase possa ser superada sem problemas.
· Tal como Piaget, concluiu que não se deve apressar o desenvolvimento das crianças, que se deve dar o tempo necessário a cada fase de desenvolvimento, pois cada uma delas é muito importante. Sublinhou que apressar o desenvolvimento pode ter consequências emocionais e minar as competências das crianças para a sua vida futura.
"Human personality in principle develops according to steps predetermined in the growing person's readiness to be driven toward, to be aware of and to interact with a widening social radius"
Erik Erikson.
Jean Piaget (1896-1980)
· Jean Piaget (1896-1980) foi um dos investigadores mais influentes do séc. 20 na área da psicologia do desenvolvimento. Piaget acreditava que o que distingue o ser humano dos outros animais é a sua capacidade de ter um pensamento simbólico e abstrato. Piaget acreditava que a maturação biológica estabelece as pré-condições para o desenvolvimento cognitivo. As mudanças mais significativas são mudanças qualitativas (em genero) e não qualitativas (em quantidade).
· Existem 2 aspectos principais nesta teoria: o processo de conhecer e os estádios/ etapas pelos quais nós passamos à medida que adquirimos essa habilidade.
· Como biólogo, Piaget estava interessado em como é que um organismo se adapta ao seu ambiente (ele descreveu esta capacidade como inteligência) - O comportamento é controlado através de organizações mentais denominadas “esquemas”, que o indivíduo utiliza para representar o mundo e para designar as ações.
· Essa adaptação é guiada por uma orientação biológica para obter o balanço entre esses esquemas e o ambiente em que está. (equilibração). Assim, estabelecer um desequilíbrio é a motivação primária para alterar as estruturas mentais do indivíduo.
· Piaget descreveu 2 processos utilizados pelo sujeito na sua tentativa de adaptação: assimilação e acomodação. Estes 2 processos são utilizados ao longo da vida à medida que a pessoa se vai progressivamente adaptando ao ambiente de uma forma mais complexa.
o Capta as grandes tendências do pensamento da criança
o Encara as crianças como sujeitos ativos da sua aprendizagem
Lev Vygotsky (1896-1934)
· Lev Vygotsky desenvolveu a teoria socio-cultural do desenvolvimento cognitivo. A sua teoria tem raízes na teoria marxista do materialismo dialético, ou seja, que as mudanças históricas na sociedade e a vida material produzem mudanças na natureza humana.
· Vygotsky abordou o desenvolvimento cognitivo por um processo de orientação. Em vez de olhar para o final do processo de desenvolvimento, ele debruçou-se sobre o processo em si e analisou a participação do sujeito nas atividades sociais → Ele propôs que o desenvolvimento não precede a socialização. Ao invés, as estruturas sociais e as relações sociais levam ao desenvolvimento das funções mentais.
· Ele acreditava que a aprendizagem na criança podia ocorrer através do jogo, da brincadeira, da instrução formal ou do trabalho entre um aprendiz e um aprendiz mais experiente.
· O processo básico pelo qual isto ocorre é a mediação (a ligação entre duas estruturas, uma social e uma pessoalmente construída, através de instrumentos ou sinais). Quando os signos culturais vão sendo internalizados pelo sujeito é quando os humanos adquirem a capacidade de uma ordem de pensamento mais elevada.
• Ao contrário da imagem de Piaget em que o indivíduo constrói a compreensão do mundo, o conhecimento sozinho, Vygostky via o desenvolvimento cognitivo como dependendo mais das interações com as pessoas e com os instrumentos do mundo da criança
• Esses instrumentos são reais: canetas, papel, computadores; ou símbolos: linguagem, sistemas matemáticos, signos.
Teoria de Vygotsky do Desenvolvimento Cognitivo
· Vygostsky sublinhou as influências socioculturais no desenvolvimento cognitivo da criança:
-O desenvolvimento não pode ser separado do contexto social
-A cultura afeta a forma como pensamos e o que pensamos
-Cada cultura tem o seu próprio impacto
-O conhecimento depende da experiência social
· A criança desenvolve representações mentais do mundo através da cultura e da linguagem.
· Os adultos têm um importante papel no desenvolvimento através da orientação que dão e por ensinarem (“guidance and teaching”).
· Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) – intervalo entre a resolução de problemas assistida e individual.
· Uma vez adquirida a linguagem nas crianças, elas utilizam a linguagem/discurso interior, falando alto para elas próprias de forma a direcionarem o seu próprio comportamento, linguagem essa que mais tarde será internalizada e silenciosa – Desenvolvimento da Linguagem.
Konrad Lorenz (1903-1989)
· Zoólogo austríaco, ornitólogo e um dos fundadores da Etologia moderna (estudo do comportamento animal)
· Desenvolveu a idéia de um mecanismo inato que desencadeia os comportamentos instintivos (padrões de ação fixos) → modelo para a motivação para o comportamento
· Considera-se hoje que o sistema nervoso e de controlo do comportamento envolvem transmissão de informação e não transmissão de energias.
· O seu trabalho empírico é uma das grandes contribuições, sobretudo no que se refere ao IMPRINTING e aos PERÍODOS CRÍTICOS
· o imprinting é um excelente exemplo da interação de fatores genéticos e ambientais no comportamento – o que é inato e específico na espécie e as propriedades específicas da aprendizagem;
· O trabalho de Lorenz forneceu uma evidência muito importante de que existem períodos críticos na vida onde um determinado tipo definido de estímulo é necessário para o desenvolvimento normal. Como é necessária a exposição repetitiva a um estímulo ambiental (provocando uma associação com ele), podemos dizer que o imprinting é um tipo de aprendizagem, ainda que contendo um elemento inato muito forte.
Henri Wallon (1879 – 1962)
· Wallon procura explicar os fundamentos da psicologia como ciência, os seus aspectos epistemológicos, objectivos e metodológicos.- Considera que o homem é determinado fisiológica e socialmente, sujeito às disposições internas e às situações exteriores.
· Wallon propõe a psicogénese da pessoa completa (psicologia genética), ou seja, o estudo integrado do desenvolvimento.
o Para ele o estudo do desenvolvimento humano deve considerar o sujeito como “geneticamente social” e estudar a criança contextualizada, nas relações com o meio. Wallon recorreu a outros campos de conhecimento para aprofundar a explicação dos factores de desenvolvimento (neurologia, psicopatologia, antropologia, psicologia animal).
· Considera que não é possível selecionar um único aspecto do ser humano e vê o desenvolvimento nos vários campos funcionais nos quais se distribui a actividade infantil (afectivo, motor e cognitivo).
· Vemos então que para ele não é possível dissociar o biológico do social no homem. Esta é uma das características básicas da sua Teoria do Desenvolvimento.
Burrhus F. Skinner (1904 – 1990)
· Psicólogo Americano, conduziu trabalhos pioneiros em Psicologia Experimental e defendia o comportamentalismo / behaviorismo (estudo do comportamento observável).
· Tinha uma abordagem sistemática para compreender o comportamento humano, uma abordagem de efeito considerável nas crenças e práticas culturais correntes.
· Fez investigação na área da modelação do comportamento pelo reforço positivo ou negativo (condicionamento). O condicionamento operante explica que um determinado comportamento tem uma maior probabilidade de se repetir se a seguir à manifestação do comportamento se apresentar de um reforço (agradável). É uma forma de condicionamento onde o comportamento acabará por ocorrer antes da resposta.
· A aprendizagem, pode definir-se como uma mudança relativamente estável no potencial de comportamento, atribuível a uma experiência - Importância dos estímulos ambientais na aprendizagem
Albert Bandura (1925-presente)
· É, tal como Skinner, da linha behaviorista da Psicologia. No entanto enfatiza a modificação do comportamento do indivíduo durante a sua interacção. Ao contrário da linha behaviorista radical de Skinner, acredita que o ser humano é capaz de aprender comportamentos sem sofrer qualquer tipo de reforço. Para ele, o indivíduo é capaz de aprender também através de reforço vicariante, ou seja, através da observação do comportamento dos outros e de suas consequências, com contato indirecto com o reforço. Entre o estímulo e a resposta, há também o espaço cognitivo de cada indivíduo.
· É um dos autores associado ao Cognitivismo-Social, uma teoria da aprendizagem baseada na ideia de que as pessoas aprendem através da observação dos outros e que os processos do pensamento humano são centrais para se compreender a personalidade:
· As pessoas aprendem pela observação dos outros.
· A aprendizagem é um processo interno que pode ou não alterar o comportamento.
· As pessoas comportam-se de determinadas maneiras para atingir os seus objectivos.
· O comportamento é auto-dirigido (por oposição a determinado pelo ambiente)
· O reforço e a punição têm efeitos indirectos e impredizíveis tanto no comportamento como na aprendizagem.
· Os adultos (pais, educadores, professores) têm um papel importante como modelos no processo de aprendizagem da criança.
Urie Bronfenbrenner (1917 – presente)
· Um dos grandes autores que desenvolveu a Abordagem Ecológica do Desenvolvimento Humano: o sujeito desenvolve-se em contexto, em 4 níveis dinâmicos – a pessoas, o processo, o contexto, o tempo.
· A sua proposta difere da da Psicologia Científica até então (70’s): privilegia os aspectos saudáveis do desenvolvimento, os estudos realizados em ambientes naturais e a análise da participação da pessoa focalizada no maior nº possível de ambientes e em contacto com diferentes pessoas.
· Bronfenbrenner explicita a necessidade dos pesquisadores estarem atentos à diversidade que caracteriza o homem – os seus processos psicológicos, a sua participação dinâmica nos ambientes, as suas características pessoais e a sua construção histórico-sócio-cultural.
· Define o desenvolvimento humano como “o conjunto de processos através dos quais as particularidades da pessoa e do ambiente interagem para produzir constância e mudança nas características da pessoa no curso de sua vida" (Bronfenbrenner, 1989, p.191).
· A Abordagem Ecológica do Desenvolvimento privilegia estudos longitudinais, com destaque para instrumentos que viabilizem a descrição e compreensão dos sistemas da maneira mais contextualizada possível.
Bronfenbrenner - Abordagem Ecológica do Desenvolvimento Humano: o sujeito desenvolve-se em contexto, em 4 níveis dinâmicos – a pessoas, o processo, o contexto, o tempo.
Arnold Gesell (1880-1961)
· Psicólogo Americano que se especializou na área do desenvolvimento infantil. Os seus primeiros trabalhos visaram o estudo do atraso mental nas crianças, mas cedo percebeu que é necessária a compreensão do desenvolvimento normal para se compreender um desenvolvimento anormal.
· Foi pioneiro na sua metodologia de observação e medição do comportamento e, portanto, foi dos primeiros a implementar o estudo quantitativo do desenvolvimento humano, do nascimento até à adolescência.
· Realizou uma descrição detalhada e total do desenvolvimento da criança; realça, com base em pesquisas rigorosas e sistemáticas, o papel do processo de maturação no desenvolvimento.
· Gesell e colaboradores caracterizaram o desenvolvimento segundo quatro dimensões da conduta: motora, verbal, adaptativa e social. Nesta perspectiva cabe um papel decisivo às maturações nervosa, muscular e hormonal no processo de desenvolvimento.
· Desenvolveu, a partir dos seus resultados, escalas para avaliação do desenvolvimento e inteligência.
· Inaugurou o uso da fotografia e da observação através de espelhos de um só sentido como ferramentas de investigação

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Exposição "Tarsila Viajante" na Pinacoteca do Estado
Um dos nomes mais representativos do modernismo brasileiro, Tarsila do Amaral vai ganhar sua primeira exposição individual no local onde trabalhou como catalogadora em 1929, a Pinacoteca do Estado."Tarsila Viajante" mostra com 37 pinturas e 120 desenhos, alguns deles inéditos, se debruça sobre o processo de criação e formação da artista, incluindo suas viagens pelo mundo.
Vale a pena conferir !


"TARSILA VIAJANTE"Onde: Pinacoteca do Estado - pça. da Luz, 2, São PauloQuando: de 19/01 a 16/03, terça a domingo, das 10h às 18hQuanto: R$4 e R$2 (meia-entrada), grátis aos sábados

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

30 de Janeiro - Dia da NÃO VIOLÊNCIA

O dia 30 de Janeiro foi proclamado pela ONU como o dia da não-violência em homenagem a Mohandas K. Gandhi cujo assassinato ocorreu nessa data, em1948. Trata-se de uma iniciativa voltada à educação para a paz, a solidariedade e o respeito pelos direitos humanos.
Vamos "Re-Pensar" nossa REALIDADE!!!!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Kung-Fu-Tzu

Praça da Paz Celestial, Pequim. O mundo inteiro assiste a cenas de horror. Soldados disparam contra manifestantes. Tanques esmagam corpos. Policiais ateiam fogo na multidão. Estamos em 4 de junho de 1989. Aos olhos do Ocidente, cenas de pura barbárie. Até o momento em que um jovem, sozinho, detém-se ante uma coluna de tanques. Pela lógica ocidental, o que viria a seguir jamais seria exibido em horário nobre na TV. Mas o que acontece surpreende o mundo. Frente ao homem desarmado, os tanques param e recuam. Por que soldados chineses são capazes de atacar sem dó uma multidão, mas cedem diante de um único indivíduo? A resposta pode estar no pensamento moldado por um homem há mais de 20 séculos e que até hoje mantém profundas raízes na cultura oriental: o confucionismo.

Kung-Fu-Tzu (Confúcio é a latinização desse nome, que significa "Venerável Mestre Kung")

Confúcio (551-479 a.C.), filósofo e educador chinês.



A essência que permeia todo o pensamento de Confúcio é o ren, que pode ser traduzido como "benevolência" ou "humanismo". Aos discípulos que lhe perguntaram o que era o ren, o mestre teria respondido: "A principal virtude está em amar os homens". Para que não se pense que Confúcio está plagiando outro famoso pensador, lembre-se que ele proferiu essa frase 400 anos antes do nascimento de Cristo.


Confúcio era um sujeito brilhante. Mesmo assim passou a vida inteira procurando emprego e morreu sentindo-se um fracassado.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Professor: Ser ou Não Ser? Eis a Questão...

Não deveria ser essa, a dúvida, deveria sim ser uma certeza, desde o momento da opção. Todos os professores devem ter a certeza do que querem fazer, somente assim serão completos e poderão cumprir sua missão, sua vocação.
Incentivar os alunos, estar atento e motivar a todos deveria ser uma rotina prazeirosa e necessária, mas infelizmente não é o que acontece.
Conforme reportagem da revista Época de Setembro de 2007 é o que falta.
"Mais diplomas, menos crimes
Investir na escolaridade ajuda a reduzir as estatísticas de violência, revelam novas pesquisas feitas no Brasil e nos Estados Unidos"
SOLANGE AZEVEDO
Há dois anos, quando assumiu a direção da Escola Estadual Dr. Francisco Brasiliense Fusco, a educadora Rosângela Macedo Moura encontrou uma situação desoladora. A escola, que fica em Campo Limpo, um dos 19 distritos mais pobres de São Paulo, havia sido depredada 57 vezes em um ano. No mesmo período, quase 10% dos alunos haviam abandonado seus cursos. Disposta a mudar esse cenário, Rosângela montou um projeto enumerando tudo o que seria preciso para melhorar a escola e o encaminhou para uma porção de empresários. Um deles, o marqueteiro baiano Nizan Guanaes, se animou com a iniciativa da diretora e convenceu um grupo de agências de publicidade e comunicação a patrocinar as reformas.
Com o investimento privado, o espaço foi revitalizado. Ganhou salas de informática e música, além de uma biblioteca. Os resultados da parceria surgiram em pouco mais de um ano. Desde maio de 2006, o número de alunos cresceu um terço e a evasão caiu para 7%. As depredações despencaram para apenas seis em um ano. Para a aluna Viviane Silva Valentim, de 15 anos, o colégio do bairro de Campo Limpo “era muito feio” até ser reformado. Agora, Viviane diz que está mais motivada a estudar. “Os professores também mudaram a forma de dar aulas, agora cobram bastante da gente.”
Ao atrair mais alunos e evitar que muitos desistam de estudar, a escola de Campo Limpo está ajudando a reduzir as taxas de criminalidade da capital paulista. O distrito está entre os que tiveram os maiores aumentos no índice de jovens que freqüentavam o ensino médio na capital paulista entre 2000 e 2005 – e também está entre os que registraram as maiores diminuições das taxas de assassinatos. A correlação entre queda de homicídios e aumento da escolaridade é uma das conclusões do primeiro Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, organização não-governamental que reúne especialistas de todo o país, lançado há duas semanas. “De todas as variáveis socioeconômicas testadas, a freqüência à escola foi a que mostrou maior correlação com as taxas de homicídios”, diz Renato Sérgio de Lima, coordenador científico do Fórum. Ele afirma que a escolaridade tem mais peso sobre o índice de assassinatos que outros indicadores, incluindo o gasto per capita com segurança pública e a desigualdade social. “Embora em termos estatísticos essa correlação seja baixa, a educação exerce um papel importante na prevenção de homicídios.”